terça-feira, 24 de abril de 2012

Textos reflexivos

Procura-se um amigo (Vinícius de Morais)

Não precisa ser homem, basta ser humano, basta ter sentimentos, basta ter coração. Precisa saber falar e calar, sobretudo saber ouvir. Tem que gostar de poesia, de madrugada, de pássaros, de sol, da lua, do canto dos ventos e das canções da brisa. Deve ter amor, um grande amor por alguém, ou então sentir a falta de não ter esse amor. Deve amar o próximo e respeitar a dor que os passantes levam consigo. Deve guardar segredo sem se sacrificar. Não é preciso que seja de primeira mão, nem é imprescindível que seja de segunda mão. Pode já ter sido enganado, pois todos os amigos são enganados. Não é preciso que seja puro nem que seja de todo impuro, mas não deve ser vulgar. Deve ter um ideal e medo de perdê-lo e no caso de assim não ser, deve sentir o grande vácuo que isso deixa. Tem que ter ressonâncias humanas, seu principal objetivo deve ser o de amigo. Deve sentir pena das pessoas tristes e compreender o imenso vazio dos solitários. Deve gostar de crianças e lastimar as que não puderam nascer. Procura-se um amigo para gostar dos mesmos gostos, que se comova quando chamado de amigo. Que saiba conversar de coisas simples de orvalhos, de grandes chuvas e das recordações da infância. Precisa-se de um amigo para não se enlouquecer, para contar o que se viu de belo e triste durante o dia, dos anseios e das realizações, dos sonhos e da realidade. Deve gostar de ruas desertas, de poças de água e de caminhos molhados, de beira de estrada, de mato depois da chuva, de se deitar no capim. Precisa-se de um amigo que diga que vale a pena viver, não porque a vida é bela, mas porque já se tem um amigo. Precisa-se de um amigo para se parar de chorar, para não se viver debruçado no passado em busca de memórias perdidas. Que nos bata nos ombros sorrindo ou chorando, mas que nos chame de amigo, para ter-se a consciência de que ainda se vive.
PROGRAMA DO AMOR
 

E no Setor de "Atendimento ao Cliente"...
Atendente: Boa tarde Senhora. Em que lhe posso ser útil?
Cliente: Comprei o seu programa AMOR, mas até agora não consegui instalar.
Eu não sou técnica no assunto, mas acho que posso instalar com a sua ajuda.
O que eu devo fazer primeiro?
Atendente: O primeiro passo é abrir o seu CORAÇÃO. A senhora encontrou seu CORAÇÃO?
Cliente: Sim, encontrei. Mas há diversos programas funcionando agora.
Tem algum problema em instalar o AMOR enquanto outros programas estão funcionando?
Atendente: Que programas estão funcionando, senhora?
Cliente: Deixe-me ver... Eu tenho BAIXAESTIMA.EXE, RESSENTIMENTO.COM, ÓDIO.EXE e
RANCOR.EXE funcionando agora.
Atendente: Nenhum problema. O AMOR apagará automaticamente RANCOR.EXE de seu sistema
operacional atual. Pode ficar em sua memória permanente, mas não vai causar problemas
por muito tempo para outros programas. O AMOR vai reescrever BAIXAESTIMA.EXE em uma
versão melhor, chamada AUTOESTIMA.EXE. Entretanto, a senhora tem que desligar
completamente o ÓDIO.EXE e RESSENTIMENTO.COM. Esses programas impedem que o AMOR seja
instalado corretamente. A senhora pode desligá-los?
Cliente: Eu não sei como desligá-los. Você pode me dizer como?
Atendente: Com prazer! Vá ao Menu e clique em PERDÃO.EXE. Faça isso quantas vezes
forem necessárias, até o ÓDIO.EXE e RESSENTIMENTO.COM serem apagados completamente.
Cliente: Okay! Terminei! O AMOR começou a instalar-se automaticamente. Isso é normal?
Atendente: Sim, é normal. A senhora deverá receber uma mensagem dizendo que
reinstalará a vida de seu coração. A senhora tem essa mensagem?
Cliente: Sim, eu tenho. Está completamente instalado?
Atendente: Sim. Mas lembre-se: a senhora só tem o programa de modelo básico. A senhora
precisa começar a se conectar com outros CORAÇÕES a fim de obter melhoramentos.
Cliente: Oh! Meu Deus! Eu já tenho uma mensagem de erro. Que devo fazer?
Atendente: O que diz a mensagem?
Cliente: Diz: "ERRO 412 - O PROGRAMA NÃO FUNCIONA EM COMPONENTES INTERNOS". O que isso
significa?
Atendente: Não se preocupe, senhora. Este é um problema comum. Significa que o
programa do AMOR está ajustado para funcionar em CORAÇÕES externos, mas ainda não
está funcionando em seu CORAÇÃO. É uma daquelas complicadas coisas de programação,
mas em termos não técnicos, significa que a senhora tem que "AMAR" sua própria
máquina antes que possa amar outra.
Cliente: Então, o que devo fazer?
Atendente: A senhora pode achar o diretório chamado "AUTO-ACEITAÇÃO"?
Cliente: Sim, encontrei.
Atendente: Excelente! A senhora está ficando ótima nisso!
Cliente: Obrigada!
Atendente: De nada. Faça o seguinte: clique nos arquivos BONDADE.DOC, AUTOESTIMA.TXT,
VALORIZE-SE.TXT, PERDÃO.DOC e copie-os para o diretório "MEU CORAÇÃO". O sistema irá
reescrever todos os arquivos em conflito e começará a consertar a programação
defeituosa. Também a senhora precisa apagar AUTOCRÍTICA.EXE de todos os diretórios e
depois esvazie a sua lixeira para certificar-se de que nunca voltem.
Cliente: Consegui! Meu CORAÇÃO está cheio de arquivos realmente puros! Eu tenho no
meu monitor, agora, o SORRISO.MPG e está mostrando que PAZ.EXE, CONTENTAMENTO.COM e
BONDADE.COM foram instalados automaticamente no meu CORAÇÃO.
Atendente: Então, terminamos! O AMOR está instalado e funcionando, Ah! Mais uma coisa
antes de eu ir.
Cliente: Sim?
Representante: O AMOR é um programa grátis. Faça o possível para distribuir uma cópia
de seus vários modelos a quem a senhora encontrar e, dessa forma, a senhora receberá
de volta dessas pessoas novos modelos verdadeiramente puros.
Cliente: Obrigada pela sua ajuda!
MANUTENÇÃO VITAL

  

Você já fez uma reforma na sua casa? Quem já fez sabe o que isso
significa.

Reformar a casa é sempre um transtorno. Tudo fica fora do lugar.
O sofá cede espaço a um monte de areia. Há cimento por toda a parte
e o cheiro de tinta se espalha no ar. De pouco adianta o
planejamento e os prazos. Sempre surgem vazamentos inesperados,
serviços mal-feitos e outros imprevistos que aumentam o orçamento e
o tempo para terminar a obra.

Para evitar aborrecimentos, há quem prefira passar a vida sem
qualquer mudança, optando por se acomodar as falhas e imperfeições.
Mas quem se aventura a enfrentar o desafio recebe, como recompensa,
mais conforto e muito prazer.

Nossa vida é como nossa casa. Um lar que podemos manter como está,
ou então, reformar, aumentar, redecorar, pôr abaixo se for preciso,
para reconstruir de um jeito melhor.

Colocar a vida em obras é também um grande transtorno, com um
agravamento: você não pode abandoná-la temporariamente,
hospedando-se em outro lugar. Tem que aprender a conviver com a
areia, o cimento, dividir o seu espaço com o pedreiro, o pintor, a
desviar de tijolos, dormir com cheiro de tinta, e trabalhar
normalmente, ao som do martelo e da serra. Como se não bastasse,
vai chegar a um ponto em que, ao contemplar tudo isso, você vai ter
a nítida sensação de que a desordem não terá fim, e amargará o dia
em que decidiu abandonar a comodidade do óbvio para buscar novos
horizontes, usando a vocação e os talentos que Deus lhe deu. Mas,
aos poucos, tudo vai tomando forma. O que foi projeto, ganha
contornos de lar resplandecente, novo. Angústias e aborrecimentos
ficam no passado e a realidade nova é digna de se admirar. Por
maior que seja a dificuldade de se perseguir um sonho, maior ainda
é a alegria de vê-lo se concretizar. 
 
 

O VALOR DO TEMPO

 
        Para você entender o valor de um ano: pergunte a um estudante que não passou nos exames finais.
        Para você entender o valor de um mês: pergunte a uma mãe que teve um filho prematuro.
        Para você entender o valor de uma semana: pergunte ao editor de uma revista semanal.
Para você entender o valor de uma hora: pergunte aos apaixonados que estão esperando o momento do encontro.
Para você entender o valor de um minuto: pergunte a uma pessoa que perdeu o trem, o ônibus ou o avião.
Para você entender o valor de um segundo: pergunte a alguém que sobreviveu a um acidente.
Para você entender o valor de um milissegundo: pergunte a um ganhador de uma medalha de prata nas Olimpíadas.
Portanto, procure aproveitar seu tempo ao máximo, SEMPRE!!!
 
 
 

Os quatro elementos

   
- A criança, com os olhos brilhantes, pegou a vela que restava e acendeu as outras. 
         Quatro velas queimavam calmamente. O ambiente estava tão silencioso que era possível ouvir o diálogo que travavam. A primeira disse:
- Eu sou a Paz! Apesar de minha luz, pessoas não conseguem manter-me, acho que vou apagar. - E diminuindo devagarinho, apagou totalmente.
- Eu me chamo Fé! Infelizmente sou muito supérflua. As pessoas não querem saber de Deus. Não faz sentido continuar queimando. - Ao terminar sua fala, um vento levemente bateu sobre ela, que se apagou.
Baixinho e triste a terceira vela se manifestou:
- Eu sou o Amor! Não tenho mais força para queimar. As pessoas me deixam, esquecem até daquelas que lhes amam. - E sem esperar apagou-se.
De repente... Entrou uma criança e viu as três velas apagadas.
- O que é isto? Vocês deviam queimar e ficar acesas até o fim. - Dizendo isso, começou a chorar.
Então a quarta vela falou:
- Não tenha medo, criança. Enquanto eu estiver queimando poderemos acender as outras velas. Eu sou a Esperança!
COCA-COLA É ISSO AÍ!!!
Para todos os consumidores de Coca-Cola (e outros refrigerantes):

* Para lavar o banheiro vire uma lata de COCA-COLA no vaso, deixe que a bebida repouse por 1 hora e depois dê a descarga. O ácido cítrico elimina as manchas na porcelana.
* Para eliminar manchas de oxidação de decalques nos automóveis esfregue o decalque com um pedaço de lã de aço (bombril ou similar) molhado na COCA-COLA.
* Para limpar a corrosão nos terminais de baterias do automóvel vire uma lata de COCA-COLA sobre os terminais para desfazer a corrosão.
* Para afrouxar um parafuso oxidado - aplique ao parafuso um tecido enxaguado em COCA-COLA por vários minutos.
* Para assar um presunto defumado - esvazie uma lata de COCA-COLA na forma, envolva o presunto em papel alumínio e asse-o. Trinta minutos antes que esteja pronto retire o alumínio para que as gotas de COCA-COLA dourem com o presunto.
* Para tirar a graxa das roupas - esvazie uma lata de COCA-COLA na roupa gordurosa, adicione detergente e programe um tempo médio. A COCA-COLA ajudará a remover as manchas de gordura.
* COCA-COLA também ajuda a limpar parabrisas.

É isso que bebemos!!! Para sua informação:

* Ph por meio de bebidas gasosas, por exemplo, é de 3.4. Esta acidez é tão forte que dissolve dentes e ossos. Nosso corpo detém o crescimento dos ossos na idade de 30 anos e depois disso, aproximadamente 8-18% dos ossos se dissolve a cada ano através da urina, dependendo da acidez dos alimentos ingeridos. Acidez não depende do sabor da comida, e sim da relação de potássio, cálcio, magnésio, etc e fósforo. Todos os restos de cálcio dissolvidos se acumulam nas artérias, veias, tecidos da pele e órgãos. Isto afeta o funcionamento dos rins.
* Os refrigerantes não têm nenhum valor nutritivo (vitaminas e minerais). Têm um conteúdo alto de açúcar, acidez e mais aditivos como conservantes e corantes.
* Algumas pessoas gostam de refrigerantes gelados depois de comer. Adivinhe qual o impacto? Nosso corpo tem uma temperatura de 37 graus para o funcionamento das enzimas digestivas. A temperatura de refrigerantes gelados é muito menos de 37 graus, às vezes quase 0, isto reduz a efetivação das enzimas e força ao sistema digestivo a digerir menos comida. De início, a comida fermenta. Os alimentos fermentados produzem gases e mal-cheiro, decompõem-se e formam toxinas que absorvem os intestinos, circulam no sangue e se espalham em todo o corpo. O derramamento de toxinas pode provocar várias doenças.
* Se fizer uma experiência, colocando um dente quebrado em uma garrafa de PEPSI, por exemplo, em 10 dias o dente se dissolverá. E dentes e ossos são os únicos elementos do corpo humano que permanecem intactos depois da morte.
* Imagine o que faz um refrigerante no intestino!!! Nas mulheres, que são mais vaidosas, o impacto é grande: causa celulites irreparaveis, queda dos seios, redução do testosterona (hormônio responsável pelo apetite sexual).

Os que gostam, podem continuar, porém, com mais conhecimento sobre seus efeitos.


JESUS CRISTO
Da luxúria surgiu o Cristo de ouro
Cristos brilhantes são os de bronze
Às vezes a luz a dor transparece
Disfarçado não enobrece este mistério mundo

O Cristo de prata e marfim
Nas injúrias, sereno e tranqüilo
Face ensangüentada onde o poder domina
O desejo carnal que revolta e alucina

O Cristo de madeira e pedra,
Que o pecado a humanidade encerra
Lembrando o Cristo de madeira e barro
Comercializado com menos valia e preço

Se pequei Senhor quero ser perdoado
Narrei os Cristos diversos do pecado
Se por esta culpa eu vos ter ofendido,
Só virtualizo Jesus Cristo no infinito

E este mesmo Jesus Cristo que na cruz se encontrou,
Com o cálice da agonia o homem crucificou,
Olhar plácido e sereno,
Com a dor que dilacera sem doer
Perdoou seus filhos com amor.



LIÇÃO DE VIDA

Era uma vez um menino chamado Zeca, que ao chegar da escola, entrou em casa batendo com força os pés no assoalho. Seu pai, que saía para o quintal a fim de  fazer alguns serviços na horta, ao ver aquilo chamou o menino para uma conversa.
Zeca, de oito anos de idade, aproximou-se do pai um tanto desconfiado. Porém, antes que seu pai dissesse alguma coisa, o menino falou irritado:
- Pai estou com muita raiva! O Juca não deveria ter feito aquilo comigo!
- Eu desejo tudo de ruim para ele.
Seu pai, um homem simples mas portador de grande sabedoria, escutou
calmamente o filho, que continuava a reclamar:
- O Juca me humilhou na frente dos meus amigos. Eu não aceito  isso!
Gostaria que ele ficasse doente sem poder ir à escola por muitos dias.
O pai escutava calado o desabafo do filho enquanto caminhava até um abrigo onde  costumava guardar algumas coisa de uso doméstico. Apanhou um saco cheio de carvão e pediu ao menino que o acompanhasse até o fundo do quintal. O menino o seguiu sem entender bem o que estava acontecendo. O pai abriu o saco e, antes mesmo que Zeca pudesse fazer alguma pergunta, propôs algo:
- Filho, você está vendo aquela camisa branquinha estendida ali no varal para secar?"
- Sim, respondeu Zeca rapidamente.
- Pois bem, faz de conta que ela é o seu amiguinho Juca, e cada pedaço de carvão é um mau pensamento seu, endereçado a ele.
- Quero que você jogue todo esse carvão naquela camisa, até o último pedaço,
como se fosse tiro ao alvo. Quando terminar, avise-me que eu volto para ver como ficou.
O menino achou a brincadeira divertida e pôs mãos à obra. Todavia, o varal com a camisa estava longe e, por esse motivo, poucos pedaços acertavam o alvo. Após mais ou menos uma hora, o garoto concluiu a tarefa e gritou por seu pai. O pai, aproximou-se devagar, olhou para a camisa e perguntou:
- E então, filho, como está se sentindo agora?
O filho respondeu prontamente:
- Estou cansado mas feliz porque acertei muitos pedaços de carvão no Juca, quero dizer, na camisa.
O pai olhou para o menino, que ficou sem entender a razão daquela brincadeira, e lhe falou com carinho:
- Venha comigo até meu quarto, quero lhe mostrar uma coisa.
Ambos se dirigiram ao quarto e o menino foi colocado na frente de um grande
espelho onde podia ver seu corpo por inteiro. Que susto! Só se conseguia enxergar seus dentes e seus olhinhos. Então o pai lhe disse com ternura:
- Filho, você viu que a camisa quase não sujou, mas olhe para você... O mal que desejamos aos outros é como o que lhe aconteceu. Por mais que possamos atrapalhar a vida de alguém com nossos maus pensamentos, a borra, os
resíduos, a fuligem, ficam sempre em nós mes    mos.
Zeca sorriu envergonhado e falou:
- Vou tomar um banho e depois... Lavar uma certa camisa.
PENSE...
Quando um pensamento infeliz sai da nossa mente, abre campo para ali se
instalarem as enfermidades. Ao contrário, quando nossos pensamentos são nobres,
é como se suave bálsamo penetrasse nossa alma, inundando-a de tranqüilidade e
paz.


NÃO TIVE TEMPO...
Hoje, ao atender ao telefone que insistentemente tocava, o meu mundo desabou. Entre soluços e lamentos, a voz do outro lado da linha me informava que o meu melhor amigo, meu companheiro de jornada, meu ombro camarada, havia sofrido um grave acidente, vindo a falecer quase que instantaneamente.
Lembro de ter desligado o telefone e caminhado a passos lentos para meu quarto, meu refúgio particular. As imagens de minha juventude vieram quase que instantaneamente à mente.
A faculdade, as bebedeiras, as conversas em bares até altas horas da noite, os amores não correspondidos, as confidências ao pé do ouvido, as colas, a cumplicidade, os sorrisos. AH!... Os sorrisos. Como eram fáceis de surgir naquela época.
Lembrei da formatura, de um novo horizonte surgindo... das lágrimas e despedidas, e principalmente das promessas de novos encontros. Lembro perfeitamente de cada feição do melhor amigo que já tive em toda a vida: Em seus olhos a promessa de que eu nunca seria esquecido. E realmente, nunca fui. Perdi a conta das vezes em que ele carinhosamente me ligava quando eu estava no fundo do poço, e eu nunca respondi os e-mails que ele constantemente me enviava, enchendo minha caixa postal eletrônica de esperanças e promessas de um futuro melhor.
Lembro que foi o seu rosto preocupado que vi quando acordei de minha cirurgia para retirada do apêndice. Lembro que foi em seu ombro que chorei a perda de meu amado pai. Foi em seu ouvido que derramei as lamentações do noivado desfeito.
Apesar do esforço para vasculhar minha mente, não consegui me lembrar de uma só vez em que tenha pegado o telefone para ligar e dizer a ele o quanto era importante para eu contar com a sua amizade. Afinal, eu era um homem muito ocupado. Eu não tinha tempo. Não lembro de uma só vez em que me preocupei de procurar um texto edificante e enviar para ele, ou qualquer outro amigo, com o intuito de tornar o seu dia melhor. Eu não tinha tempo. Não lembro de ter tido um único dia em que eu estivesse disposto a ouvir os seus problemas. Eu não tinha tempo. Acho que eu nunca sequer imaginei que ele tinha problemas. Não me dignei a reparar que constantemente meu amigo passava da conta na bebida. Achava divertido o seu jeito bêbado de ser. Afinal, bêbado ou não ele era uma ótima companhia para mim.
Só agora vejo com clareza o meu egoísmo. Se eu tivesse saído de meu pedestal egocêntrico e prestado um pouco de atenção e despendido de um pouquinho do meu sagrado tempo, meu grande amigo não teria bebido até não aguentar mais e não teria jogado sua vida fora ao perder o controle de um carro que com certeza, não tinha a mínima condição de dirigir.
Talvez ele, que sempre inundou o meu mundo com sua iluminada presença, estivesse se sentindo sozinho. Até mesmo as mensagens engraçadas que ele constantemente deixava em minha secretária eletrônica, poderiam ser seu jeito de pedir ajuda. Aquelas mesmas mensagens que simplesmente apaguei da secretária eletrônica, jamais se apagarão da minha consciência.
Estas indagações que inundam agora o meu ser nunca mais terão resposta. A minha falta de tempo me impediu de respondê-las. Agora lentamente escolho uma roupa preta, digna do meu estado de espírito e pego o telefone. Aviso o meu chefe de que não irei trabalhar hoje e quem sabe nem amanhã, nem depois, pois irei tirar o dia para homenagear com meu pranto a uma das pessoas que mais amei nesta vida.
Ao desligar o telefone, com surpresa eu vejo, entre lágrimas e remorsos, de que para isto, para acompanhar durante um dia inteiro o seu corpo sem vida... EU TIVE TEMPO! Descobri que se você não toma as rédeas da tua vida, o tempo te engole e te escraviza. Trabalho com o mesmo afinco de sempre, mas somente sou "o profissional" durante o expediente normal. Fora dele, sou um ser humano. Nunca mais uma mensagem da minha secretária eletrônica ficou sem pelo menos um "oi" de retorno.
Procuro constantemente encher a caixa eletrônica dos meus amigos com mensagens de amizade e de dias melhores, e dizer às pessoas como elas são importantes para mim.
Abraço constantemente meus irmãos e minha família, pois os laços que nos unem são eternos. Esses momentos costumam desaparecer com o tempo, e todo o cuidado é pouco. Distribuo sorrisos e abraços a todos que me rodeiam, afinal, para que guardá-los?
Enfim, você achou um tempinho para ler este e-mail. Agora, disponha de outro minuto para mostrar para os seus amigos e familiares que você está pensando neles e que eles significam algo. E são importantes na sua vida!
Deixe alguém feliz... hoje e sempre!!!!!!!!!!!!!


OS 3 CONSELHOS
Dois jovens recém-casados, eram muito pobres e viviam de favores num sítio do interior.
Um dia o marido fez a seguinte proposta à esposa:
- Querida eu vou sair de casa, vou viajar para bem longe, arrumar um emprego e trabalhar até ter condições para voltar e dar-te uma vida mais digna e confortável. Não sei quanto tempo vou ficar longe, só peço uma coisa, que você me espere, e, enquanto estiver fora, seja fiel a mim, pois eu serei fiel a você.
Assim sendo, o jovem saiu. Andou muitos dias a pé, até que encontrou um fazendeiro que estava precisando de alguém para ajudá-lo em sua fazenda.
O jovem chegou e ofereceu-se para trabalhar, no que foi aceito.
Pediu para fazer um pacto com o patrão, o que também foi aceito.
O pacto seria o seguinte: - Me deixe trabalhar pelo tempo que eu quiser e quando eu achar que devo ir, o Sr. me dispensa das minhas obrigações.
- Eu não quero receber meu salário. Peço que o Sr. o coloque na poupança, até o dia em que eu for embora.
- No dia em que eu sair o Sr. me dá o dinheiro e eu sigo o meu caminho.
Tudo combinado. Aquele jovem trabalhou durante vinte anos, sem férias sem descanso.
Depois de vinte anos chegou para o patrão e disse:
- Patrão, eu quero o meu dinheiro, pois estou voltando para a minha casa.
O patrão então lhe respondeu: - Tudo bem, afinal, fizemos um pacto e vou cumprí-lo, só que antes, quero lhe fazer uma proposta, tudo bem? Eu lhe dou todo o seu dinheiro e você vai embora ou eu lhe dou três conselhos e não lhe dou o dinheiro e você vai embora. Se eu lhe der o dinheiro eu não lhe dou os conselhos e se eu lhe der os conselhos eu não lhe dou o dinheiro. Vá para o seu quarto, pense e depois me dê a resposta.
Ele pensou durante dois dias, procurou o patrão e disse-lhe:
- Quero os três conselhos.
O patrão novamente frisou:
- Se lhe der os conselhos, não lhe dou o dinheiro. E o empregado respondeu:
- Quero os conselhos.
O patrão então falou:
1) NUNCA TOME ATALHOS EM SUA VIDA, CAMINHOS MAIS CURTOS E DESCONHECIDOS PODEM CUSTAR A SUA VIDA;
2) NUNCA SEJA CURIOSO PARA AQUILO QUE É MAL, POIS A CURIOSIDADE PARA O MAL PODE SER MORTAL; E,
3) NUNCA TOME DECISÕES EM MOMENTOS DE ÓDIO OU DE DOR, POIS VOCÊ PODE SE ARREPENDER E SER TARDE DEMAIS.
Após dar os conselhos, o patrão disse ao rapaz, que já não era tão jovem assim:
- Aqui você tem três pães, dois para você comer durante a viagem e o terceiro é para comer com sua esposa quando chegar a sua casa.
O homem então, seguiu seu caminho de volta, depois de vinte anos longe de casa e da esposa que ele tanto amava.
Após o primeiro dia de viagem, encontrou um andarilho que o cumprimentou e lhe perguntou:
- Para onde você vai?
Ele respondeu: - Vou para um lugar muito distante que fica a mais de vinte dias de caminhada por esta estrada.
O andarilho disse-lhe então:
- Rapaz, este caminho é muito longo, eu conheço um atalho que "é dez" e você chega em poucos dias.
O rapaz contente, começou a seguir pelo atalho, quando lembrou-se do primeiro conselho, então voltou e seguiu o caminho normal.
Dias depois soube que o atalho levava a uma emboscada.
Depois de alguns dias de viagem, cansado ao extremo, achou uma pensão à beira da estrada, onde pôde hospedar-se.
Pagou a diária e após tomar um banho deitou-se para dormir.
De madrugada acordou assustado com um grito estarrecedor.
Levantou-se de um salto só e dirigiu-se à porta para ir até o local do grito. Quando estava abrindo a porta, lembrou-se do segundo conselho.
Voltou, deixou-se e dormiu. Ao amanhecer, após tomar café, o dono da hospedagem lhe perguntou se ele não havia ouvido um grito e ele disse que tinha ouvido.
O hospedeiro disse:
- E você não ficou curioso?
Ele disse que não.
No que o hospedeiro respondeu:
- Você é o primeiro hóspede a sair vivo daqui, pois meu filho tem crises de loucura; grita durante a noite e quando o hóspede sai, mata-o e enterra-o no quintal.
O rapaz prosseguiu na sua longa jornada, ansioso por chegar a sua casa.
Depois de muitos dias e noites de caminhada..... Já ao entardecer, viu entre as árvores a fumaça de sua casa,..... andou e logo viu entre os arbustos a silhueta de sua esposa.
Estava anoitecendo, mas ele pôde ver que ela não estava só.
Andou mais um pouco e viu que ela tinha entre os braços, um homem a quem estava acariciando os cabelos. Quando viu aquela cena, seu coração se encheu de ódio e amargura e decidiu-se a correr de encontro aos dois e a matá-los sem piedade.
Respirou fundo, apressou os passos, quando lembrou-se do terceiro conselho.
Então parou, refletiu e decidiu dormir aquela noite ali mesmo e no dia seguinte tomar uma decisão.
Ao amanhecer, já com a cabeça fria ele disse:
- Não vou matar minha esposa e nem o seu amante. Vou voltar para o meu patrão e pedir que ele me aceite de volta. Só que antes, quero dizer a minha esposa que eu sempre fui fiel a ela.
Dirigiu-se à porta da casa e bateu. Quando a esposa abre a porta e o reconhece, se atira ao seu pescoço e o abraça afetuosamente. Ele tenta afastá-la, mas não consegue.
Então com lágrimas nos olhos, lhe diz:
- Eu fui fiel a você e você me traiu...
Ela espantada lhe responde:
- Como? Eu nunca te traí, esperei durante esses vinte anos.
Ele então lhe perguntou:
- E aquele homem que você estava acariciando ontem?
E ela lhe disse:
- Aquele homem é nosso filho.............. Quando você foi embora, descobri que estava grávida. Hoje ele está com vinte anos de idade.
Então o marido entrou, conheceu, abraçou seu filho e contou-lhes toda a sua história, enquanto a esposa preparava o café.
Sentaram-se para tomá-lo e comer junto o último pão. Após a oração de agradecimento, com lágrimas de emoção, ele parte o pão e ao abrí-lo, encontra todo o seu dinheiro, o pagamento por seus vinte anos de dedicação.

MORAL: MUITAS VEZES ACHAMOS QUE O ATALHO "QUEIMA ETAPAS" E NOS FAZ CHEGAR MAIS RÁPIDO, O QUE NEM SEMPRE É VERDADE...
MUITAS VEZES SOMOS CURIOSOS, QUEREMOS SABER DE COISAS QUE NEM AO MENOS NOS DIZEM RESPEITO E QUE NADA DE BOM NOS ACRESCENTARÁ......
OUTRAS VEZES, AGIMOS POR IMPULSO, NA HORA DA RAIVA, E FATALMENTE NOS ARREPENDEMOS DEPOIS.....
ESPERO QUE VOCÊ, ASSIM COMO EU, NÃO SE ESQUEÇA DESSES TRÊS CONSELHOS E NÃO SE ESQUEÇA TAMBÉM, DE C O N F I A R (MESMO QUE A VIDA MUITAS VEZES JÁ TENHA TE DADO MOTIVOS PARA A DESCONFIANÇA).




COMETAS E ESTRELAS
Há pessoas estrelas.
Há pessoas cometas.
Os cometas passam.
Apenas são lembrados pelas datas em que passam e retornam.
As estrelas permanecem.
Os cometas desaparecem.
Há muita gente cometa.
Passam pela vida da gente apenas por instantes, gente que não prende ninguém e a ninguém se prende.
Gente sem amigos.
Gente que passa pela vida sem iluminar, sem aquecer, sem marcar presença.

Há muita gente cometa.
Assim são muitos e muitos artistas.
Brilham apenas por instantes nos palcos da vida.
E com a mesma rapidez com que aparecem, também desaparecem.
Assim são muitos reis e rainhas de todos os tipos.
Reis de nações, rainhas de clubes ou concurso de beleza.
Assim rapazes e moças que se enamoram e se deixam com a maior facilidade.

Assim são pessoas que vivem numa mesma família e que passam pelo outro sem serem presença.
Importante é ser estrela.
Estar presente.
Marcar presença.
Estar junto.
Ser luz.
Ser calor.
Ser vida.
Amigo é estrela.
Podem passar os anos, podem surgir distâncias, mas a marca fica no coração.

Coração que não quer enamorar-se de cometas que apenas atraem olhares passageiros.

E muitos são cometas por um momento.
Passam, a gente bate palma e desaparecem.
Ser cometa é não ser amigo.
É ser companheiro por instantes.
É explorar sentimentos.
É ser aproveitador das pessoas e das situações.
É fazer acreditar e desacreditar ao mesmo tempo.
A solidão de muitas pessoas é conseqüência de que não podem contar com ninguém.

A solidão é resultado de uma vida cometa.
Ninguém fica.
Todos passam.
E a gente também passa pelos outros.
Há necessidade de criar um mundo de estrelas.
Todos os dias poder vê-las e senti-las.
Todos os dias poder contar com elas.
Todos os dias ver sua luz e calor.
Assim são os amigos.
Estrelas na vida da gente.
Pode-se contar com eles.
Eles são uma presença.
São aragem nos momentos de tensão.
São luz nos momentos escuros.
São pão nos momentos de fraqueza.
São segurança nos momentos de desânimo.
Olhando os cometas é bom não sentir-se como eles.
Nem desejar prender-se em sua cauda.
Olhando os cometas é bom sentir-se estrela.
Marcar presença.
Ter vivido e construído uma história pessoal.
Ter sido luz para muitos amigos.
Ter sido calor para muitos amigos.
Ter sido calor para muitos corações.
Ser estrela neste mundo passageiro, neste mundo cheio de pessoas cometas, é um desafio, mas acima de tudo uma recompensa.
É NASCER E TER VIVIDO E NÃO APENAS EXISTIDO.



SE...
"Se eu pudesse deixar algum presente a você, deixaria aceso o sentimento de amar a vida dos seres humanos.
A consciência de aprender tudo o que foi ensinado pelo tempo afora...
Lembraria os erros que foram cometidos para que não mais se repetissem.
A capacidade de escolher novos rumos.
Deixaria para você, se pudesse, o respeito àquilo que é indispensável :
Além do pão, o trabalho.
Além do trabalho, a ação.
E, quando tudo mais faltasse, um segredo:
O de buscar no interior de si mesmo a resposta e a força para encontrar a saída."

Mahatma Gandhi


NÃO ESPERE...
Não espere um sorriso para ser gentil...

Não espere ser amado para amar...

Não espere ficar sozinho para reconhecer o valor de um amigo...

Não espere ficar de luto para reconhecer quem hoje é importante em sua vida...

Não espere o melhor emprego para começar a trabalhar...

Não espere a queda para lembrar-se do conselho...

Não espere a enfermidade para reconhecer quão frágil é a vida...

Não espere a pessoa perfeita para então se apaixonar...

Não espere a mágoa para pedir perdão...

Não espere a separação para buscar a reconciliação...

Não espere a dor para acreditar em oração...

Não espere elogios para acreditar em si mesmo...

Não espere ter tempo para servir...

Não espere que o outro tome a iniciativa se você foi o culpado...

Não espere o "eu também" para dizer o "eu te amo"...

Não espere ter dinheiro aos montes para então contribuir...

Não espere o dia de sua morte sem antes amar a vida!!!

(Pescador de Ilusões)



A FELICIDADE E SUA FAMÍLIA
Oi!
Meu nome é Felicidade.
Faço parte da vida daqueles que tem amigos, pois ter amigos é ser Feliz.
Faço parte da vida daqueles que vivem cercados por pessoas como você, pois viver assim é ser Feliz!
Faço parte da vida daqueles que acreditam que ontem é passado, amanhã é futuro e hoje é uma dádiva, por isso chamado presente.
Faço parte da vida daqueles que acreditam na força do Amor, que acreditam que para uma história bonita não há ponto final.
Eu sou casada sabiam?
Sou casada com o Tempo.
Ah! O meu marido é lindo!
Ele é responsável pela resolução de todos os problemas.
Ele reconstrói corações, ele cura machucados, ele vence a Tristeza...
Juntos, eu e o Tempo tivemos três filhos:
A Amizade, a Sabedoria, e o Amor.
A Amizade é a filha mais velha. Uma menina linda, sincera, alegre.
A Amizade brilha como o sol.
A Amizade une pessoas, pretende nunca ferir, sempre consolar.
A do meio é a Sabedoria, culta, íntegra, sempre foi mais apegada ao Pai, o Tempo.
A Sabedoria e o Tempo andam sempre juntos!
O caçula é o Amor.
Ah! Como esse me dá trabalho!
É teimoso, às vezes só quer morar em um lugar...
Eu vivo dizendo:
Amor, você foi feito para morar em dois corações, não em apenas um.
O Amor é complexo, mas é lindo, muito lindo!
Quando ele começa a fazer estragos eu chamo logo o pai dele, o Tempo, e aí o Tempo sai fechando todas as feridas que o Amor abriu!
Uma pessoa muito importante me ensinou uma coisa:
Tudo no final sempre dá certo, se ainda, não deu, é porque não chegou o final.
Por isso, acredite sempre na minha família.
Acredite no Tempo, na Amizade, na Sabedoria e, principalmente no Amor.
Aí, com certeza um dia, eu, a Felicidade, baterei à sua porta!!!
Tenha Tempo para os Sonhos.
Eles conduzem sua carruagem para as Estrelas.



UM AMIGO FIEL
Ruth, olhou em sua caixa de correio, mas só havia uma carta. Pegou-a e olhou antes de abri-la, mas logo a olhou com mais cuidado. Não havia selo nem marcas do correio, somente seu nome e endereço. A carta dizia:
"Querida Ruth:
Estarei próximo de sua casa no sábado a tarde e passarei para visitar-te.
Com amor, Jesus."
Suas mãos tremiam quando colocou a carta sobre a mesa.
"Porque o Senhor vai querer visitar-me? Não sou ninguém especial, não tenho nada para oferecer-lhe..."
Pensando nisso, Ruth recordou o vazio reinante nas estantes de sua cozinha.
Ai, não! Não tenho nada para oferecer-lhe! Terei que ir ao mercado e comprar alguma coisa para o jantar.
Buscou a carteira e verificou o conteúdo sobre a mesa: R$ 4,12.
"Bom, comprarei pão e alguma outra coisa, pelo menos..."
Colocou um casaco e se apressou em sair.
Um pão francês, um pouco de peru e uma caixa de leite...
Ruth ficou somente com R$ 0,02 que lhe deveriam durar até na segunda-feira. Mesmo assim, se sentiu bem, saiu a caminho de casa com sua humilde compra debaixo do braço.
"Olá, senhora! Pode nos ajudar?"
Ruth estava tão distraída pensando no jantar, que não viu as duas pessoas que estavam de pé no corredor. Um homem e uma mulher, os dois vestidos com pouco mais que farrapos.
"Olhe, senhora, não tenho emprego, você sabe, e minha mulher e eu temos vivido ali fora na rua e, bom, está fazendo frio e estamos sentindo fome, e bom, se a senhora pudesse nos ajudar, ficaríamos muito agradecidos...
Ruth olhou para eles com mais cuidado. Estavam sujos e tinham mal odor e, francamente, ela estava segura de que eles poderiam conseguir algum emprego se realmente quisessem.
"Senhor, eu queria ajudar, mas eu mesma sou uma mulher pobre. Tudo que tenho são umas fatias de pão, mas tenho um hospede importante para esta noite e planejava servir isso a Ele".
"Sim, bom, sim senhora, entendo. De qualquer maneira, obrigado."
O homem colocou o braço em volta dos ombros da mulher e se dirigiram para a saída. A medida que os via saindo, Ruth sentiu um pulsar familiar em seu coração.
"Senhor, espere!"
O casal parou e voltou a medida que Ruth corria para eles e os alcançava na rua.
"Olhe, quer aceitar este lanche? Conseguirei algo para servir ao meu convidado" e estendeu a mão com o pacote contendo o lanche.
"Obrigado senhora, muito obrigado."
"Obrigada", disse a mulher e Ruth pode perceber que ela estava tremendo de frio.
"Sabem, tenho outro casaco em minha casa, tome este."
Ruth desabotoou seu casaco e o colocou sobre os ombros da mulher e sorrindo voltou a caminho de casa... sem seu casaco e sem nada para servir ao seu convidado.
Ruth estava tremendo de frio quando chegou na porta. Agora não tinha nada para oferecer ao Senhor. Procurou a chave rapidamente na bolsa enquanto notou outra carta na caixa de correio.
Que raro, o carteiro nunca vem duas vezes em um dia. Pegou a carta e abriu-a:
"Querida Ruth, foi bom vê-la novamente. Obrigado pelo delicioso lanche e obrigado também pelo esplêndido casaco.
Com amor, Jesus."
O ar contudo estava frio, mas ainda sem seu abrigo, Ruth nem percebeu.


Um comentário: